O que mais te derruba no inglês

Apesar de ser suspeita para falar da língua inglesa — todos sabem que amo! — admito que existem algumas peculiaridades, para não dizer dificuldades, ao se trabalhar com ela. Por não ser um idioma “irmão” do nosso português, alguns detalhes acabam por confundir um pouco aqueles que não estão tão acostumados a usá-lo.

Com isso, resolvemos clarear um pouco essas dúvidas, trazendo os 10 tópicos mais comuns que confundem os brasileiros ao falar e escrever in English:

1) False Friends

False Friends”, ou “falsos cognatos” são palavras que pensamos saber o significado, porque são semelhantes àquelas no nosso idioma, mas que induzem a erros de tradução. Exemplo: “Actually” parece com “atualmente”, mas significa “na verdade” — “Actually I didn’t mean that…” [“Na verdade eu não quis dizer isso…”].

2) Phrasal Verbs

Na língua inglesa, preposições podem ser usadas para formar os chamados Verbos Frasais, que também existem em português, mas com menor frequência. Se você trocar uma preposição por outro, o significado total também muda. Por exemplo, o verbo “look” é traduzido como “ver” ou “olhar”. Já “look out”, significa “ter cuidado”. “Look into” quer dizer “verificar”. Como esse, existem diversos exemplos desses Phrasal Verbs, e para aprendê-los, basta praticar!

3) Idioms

O português brasileiro apresenta inúmeras expressões que não podem ser traduzidas literalmente porque não fazem nenhum sentido para falantes da língua inglesa — e vice-versa. São as chamadas Idiomatic Expressions, ou simplesmente Idioms. Exatamente por não serem levadas “ao pé da letra” que os alunos tem dificuldades em aprendê-las e compreendê-las. Segue um exemplo: “My boss and I never see eye to eye.” [“Meu chefe e eu nunca concordamos.”] — note que “eye to eye” poderia ser entendido literalmente como “olho pro olho”, o que seria errôneo!

4) People x Person

Esse é campeão, os alunos trocam sempre! Eles pensam que “people” é singular — por isso até costumam colocar S: “peoples”. Na verdade, a palavra PESSOA é “person”, e PESSOAS seria “people”, um caso de plural irregular. Pra piorar, “povo” é singular, também tradução de “people”. Exemplo: “People are going to a bar after work.” [“As pessoas vão para um bar depois do trabalho.”]

5) I have 30 years

“Eu tenho 30 anos” está correta em português. Porém, em inglês, não se diz que alguém TEM uma idade, as pessoas ESTÃO velhas, informando quantos anos já viveu. Por isso, é necessário usar verbo “to be” antes do número relativo à idade. Assim, para dizer “Eu tenho 30 anos” devemos usar “I am 30 years old” e não “I have 30 years old”. Outro exemplo: “Meu bebê tem 6 meses” ficaria “My baby is 6 months old” e não “My baby has 6 months old”.

6) Lose x Miss

To miss” significa “sentir falta” e “to lose” quer dizer “perder”. Contudo, usa-se “to miss” quando perde-se algum evento por não ter chegado a tempo, como uma aula ou um voo. Por exemplo: “Eu perdi o trem” deve ser dito “I missed the train”. Os alunos costumam usar o verbo “to lose” nesse contexto, exatamente por fazer a simples tradução. O uso correto deste verbo seria ao mencionar perda de objetos. Veja: “I lost my wallet on the street.” [“Eu perdi minha carteira na rua.”]

7) Make x Do

Um das maiores dúvidas de quem está aprendendo inglês é a diferença entre MAKE e DO. A confusão começa porque ambos são traduzidos como “fazer”. Mas o problema não para por aí: às vezes, dependendo da expressão, eles NÃO tem o significado de fazer. Por exemplo, “fazer amigos” deve ser “to make friends” — não use “to do friends”. Já “fazer um curso” deve ser dito “to do a course”.

8) Nothing x Anything

Muitos brasileiros trocam o uso de “anything” e “nothing”, já que ambos podem ser traduzidos como “nada”. Mas o uso do primeiro ou do segundo depende da estrutura da frase. Nothing não pode ser usado em frases negativas (não se nega 2x in English). Assim, deve-se usar “anything” quando já se negou, e “nothing” com estrutura afirmativa. Veja os exemplos: “You don’t know anything about that” ou “You know nothing about that” [Você não sabe nada sobre isso”]. Perceba que ambas tem o mesmo significado (tradução).
Se ainda está com dúvidas, confere esse nosso post aqui.

9) Travel x Trip

A palavra “travel” é mais comumente usado como verbo (“viajar”), e “trip” usa-se como substantivo (“viagem”) — existem algumas poucas exceções a essa regra. Veja a seguir os exemplos:
I’m planning to travel to Italy.” [“Estou planejando viajar para a Itália.”]
My last trip to China was amazing!” [“Minha última viagem para a China foi incrível!”]

10) Have x There is

Costumamos usar o verbo TER como sinônimo de HAVER ou EXISTIR, por exemplo “Tem um livro em cima da mesa”. Porém, o mesmo não ocorre na língua inglesa; quando a situação é de “existência”, usa-se a estrutura “There TO BE” — fazendo a conjugação de acordo com o contexto. Veja: “Há muita gente aqui!” deve ser “There are many people here!” e não “Have many people here!”


Fonte:
https://pt.babbel.com/pt/magazine/10-erros-que-cometemos-ao-escrever-em-ingles/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s